Tatuagem tecnológica, um wearable irreverente

B2B Magazine

Switch to desktop Register Login

Tatuagem tecnológica, um wearable irreverente

Tatuagem tecnológica, um wearable irreverente Shutterstock

Parece que o futuro dos wearables é a integração total. Um bom exemplo vem dá Chaotic Moon, empresa à frente da Tech Tats, uma espécie de tatuagem tecnológica que traz maior integração, portabilidade e leveza para dispositivos wearables. Estes novos gadgtes - ou biowearables, como estão sendo chamados-, são voltados principalmente para o setor de saúde, para reconhecer, armazenar, enviar e receber informações que ajudem detectar os primeiros sintomas de uma doença, por exemplo.


O dispositivo é aplicado ao corpo do usuário como se fosse uma tatuagem de henna (aquelas pintadas temporariamente), a diferença é que as Tech Tats conduzem eletricidade por meio de sensores, onde um microcontrolador armazena e envia os dados do usuário para um aplicativo (veja o vídeo).

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/9iFuTaqD4fM" frameborder="0" allowfullscreen></iframe> 


Segundo Eric Schneider, desenvolvedor de hardware da Chaotic Moonr, a novidade vai além das soluções já encontradas no mercado - voltadas para o monitoramento de atividades físicas. “Em vez de você ir ao médico para fazer um check-up, por exemplo, a tatuagem poderá monitorar sua saúde e enviar os dados ao seu médico”, explica.

 

A Chaotic Moon aposta que no futuro a indústria bancária também se beneficiará dessa aplicação: “Sempre levamos conosco nossa carteira, o que nos torna vulneráveis”, analisa Schneider, dando indícios de como sua criação poderá ajudar na gestão das finanças pessoais, em sintonia com a digitalização e a evolução constante de meios de pagamento.

 

Se o futuro das relações entre serviços e usuários se tornará realmente mais interpessoal e informatizado do que se imagina, a Chaotic Moon parece estar em busca do suprassumo dessa evolução. Se há alguma dúvida em relação à isso, elas residam, talvez, em questões como interoperabilidade, eficiência e, principalmente, segurança. Para o limite da criatividade parece não haver o que se questionar.

 

Compartilhe:

Submit to FacebookSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn
" num_posts="7" width="600">

B2B Magazine 2013 - Todos os direitos reservados.

Top Desktop version