Quem são os gamers no Brasil?

B2B Magazine

Switch to desktop Register Login

Quem são os gamers no Brasil?

Quem são os gamers no Brasil? Shutterstock

Um estudo realizado pela Sioux, agência de tecnologia interativa, com a Blend New Research, empresa de pesquisa especializada em consumo, e pelo GameLab da ESPM, traçou um perfil do consumidor de games no Brasil.  A Pesquisa Game Brasil 2016, que está em sua terceira edição, traz o cenário atual desse mercado com a abordagem dos hábitos de consumo nas principais plataformas de jogos: mobile (smartphones e tablets), consoles e computadores. Seguindo a mesma metodologia dos anos anteriores, o estudo teve a participação de 2.848 pessoas entrevistadas em 26 Estados e no Distrito Federal, entre os dias 15 e 26 de fevereiro.

 

Confira alguns dos principais insights da pesquisa:

 

Perfil

O apontamento destaca o forte apelo que atualmente os jogos têm em quase toda a população e não apenas entre os jovens, uma vez que a faixa etária principal dos gamers é de 25 a 34 anos.  "No ano passado já havia o indicador de que as mulheres brasileiras superariam os homens no mercado de jogos em um curto espaço de tempo e isso se concretizou. Porém, o tempo que elas jogam é menor do que o do sexo oposto e o estilo de jogos que elas preferem também caracteriza um comportamento mais casual", afirma Guilherme Camargo, CEO da Sioux.

 

Comportamento

O gamer brasileiro se consolida com o perfil multiplataforma - 70,8% jogam em mais de um dispositivo. O smartphone continua o mais popular (77,2%), seguido de computadores (66,9%) e consoles (45,7%). Apesar de toda a popularidade dos jogos, apenas 11% dos entrevistados se consideram "gamers" de verdade. A maioria é consumidor casual e utiliza os jogos como uma forma de entretenimento. O dispositivo preferido para jogar é o smartphone, escolhido por 34,4% dos gamers, seguido do computador (30,1%) e consoles (29,9%). A categoria de jogos preferida foi estratégia (54,7%), seguida de aventura (49,0%) e ação (42,3%).

 

Há diversos locais onde o consumidor joga. Com a mobilidade dos smartphones, 87,6% dos entrevistados afirmam jogarem quando estão em deslocamento / trânsito (ônibus, metrô ou carro). No trabalho, a relação dos games também se manteve coerente com a edição anterior: 74,5% das pessoas jogam durante o horário de trabalho.

 

Mobile (Smartphones e tablets)

Das pessoas entrevistadas, 71,9% afirmaram ter o costume de baixar algum tipo de aplicativo de jogos em seu smartphone. Das atividades diárias realizadas, 71,3% enviam mensagens de texto (WhastApp, Viber, entre outros) e 61,4% acessam redes sociais. Baixar jogos diariamente é hábito de 37,9% da amostra.

 

Baixar apenas jogos gratuitos continua sendo o comportamento da maioria dos jogadores (78,2%). A justificativa principal, segundo os entrevistados, para nunca ter pago por um jogo é que sempre existem outras opções gratuitas com o mesmo propósito (50,7%), seguida do risco de comprar e não gostar (48,2%). Apenas 16,5% afirmam que as propagandas dos jogos gratuitos não incomodam. Dos 21,8% que já compraram jogos, o cartão de crédito é o meio mais popular, utilizado por 70,2% deles, seguido do PayPal (38,2%).

 

As principais fontes de informação sobre jogos são os amigos (45,1%) e as redes sociais (41,2%). 68,2% aceitam baixar jogos gratuitos que tenham anúncios publicitários, porém, acreditam que atrapalha a jogabilidade ou desempenho (64,9%). Nos tablets a tendência é a mesma, mas com ênfase maior para jogos, uma vez que 81,5% têm o costume de baixar e o fazem toda semana (33,1%).

 

Consoles

Apesar da oitava geração (Xbox One, PS4, WiiU) completar pouco mais de dois anos, o Xbox 360 (sétima geração) é o console mais popular, utilizado por 40,9% dos gamers, seguido do PlayStation 2 (35,3%) e PlayStation 3 (29,5%). Em termos de preferência, o Xbox 360 manteve a liderança do ano passado (31,9%) seguido do PlayStation 4 (24,7%).

 

O perfil de compra do gamer desta categoria também trouxe dados interessantes: 68,5% adquirem produtos no varejo brasileiro oficial, 14,5% no mercado paralelo e 10,2% em viagens internacionais. A principal motivação para a compra em uma revenda oficial é a garantia (70,3%). A maioria compra até três jogos por ano (64,8%). Um fator interessante no comportamento de compra é a aquisição de jogos usados, citado por 46,1% dos entrevistados.

 

Computadores

Mesmo após quase sete anos de seu lançamento, o Windows 7 é o sistema operacional mais popular entre os gamers (39,1%), seguido do Windows 10 (31,5%). O notebook, como dispositivo de jogo, é o preferido (68,6%) e a principal vantagem de jogar no computador, segundo os entrevistados, é uma melhor precisão (20,6%), seguida do menor custo na aquisição dos jogos (19,0%). O varejo on-line é o principal canal de vendas para jogos de PC (37,2%), seguido do varejo físico (27,8%) e microtransação dentro do próprio jogo (15%). O serviço online STEAM foi citado por 9,4%.

 

Marcas do Coração

A pesquisa também identificou a preferência por marcas no segmento de smartphones, consoles e o jogo mais popular entre os entrevistados. Entre os smartphones, a Samsung lidera com 32,2%; em consoles, a Sony (Playstation) está na frente, com 52,9%; e o jogo com maior popularidade de 2015 foi FIFA.

 

*Via Adnews

 

Leia mais:
Um destino perfeito para gamers: Arcade Hotel
Google lança o YouTube para gamers

 

Compartilhe:

Submit to FacebookSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

B2B Magazine 2017 - Todos os direitos reservados.

Top Desktop version